10 erros fatais que empreendedores cometem na crise

21/07/16

São Paulo – Não é novidade que a economia brasileira não vai muito bem. Em momentos como esse, muitos empreendedores enfrentam problemas para manter suas empresas de pé. Porém, será que as medidas tomadas por eles são realmente as melhores num momento de crise? Segundo especialistas, a resposta é não.

Em tempos como esses é comum que donos de pequenos negócios adotem atitudes precipitadas --e até mesmo nocivas para a empresa.
“Na crise, muitos empreendedores ficam paralisados, não conseguem reagir, pois o sustento da família dele e de muitas outras depende do negócio. Isso só atrapalha para um retomada”, afirma Alessandro Saade, professor da Business School São Paulo (BSP).

Publicidade

Para Marcelo Paranzini, gerente do Sebrae-SP, o importante é manter o pé no chão, se planejar e buscar a ajuda de instituições como o próprio Sebrae.

Veja abaixo alguns dos erros cometidos por empreendedores na crise, e tome cuidado para não cair nessas armadilhas. O resultado pode ser o fim do seu negócio!

1 – Não contar com a crise

O primeiro erro, de acordo com Alessandro Saade, da BSP, é não contar que a crise virá. “A crise é uma coisa cíclica, faz parte do modelo de economia capitalista no qual estamos inseridos. Sendo assim, não entendo o desespero”, afirma.

Portanto, não adianta acreditar que seu negócio nunca enfrentará dificuldades. O melhor a fazer é se preparar e ter serenidade, pois as crises com certeza virão.

2 – Culpar a crise por um erro seu

Outro erro comum, segundo o especialista, é culpar a crise por um erro de cálculo do empreendedor. “Muitas vezes ele entra num negócio sazonal, uma moda, como foi a das paleterias. Depois de um tempo, o negócio começa a ir mal, e o empreendedor culpa a crise. Não posso culpar a crise pela minha falta de diagnóstico”, diz.

Ou seja, se você resolve abrir uma loja de bolos numa rua que já tem cinco estabelecimentos do tipo, ou se aposta todas as suas fichas numa moda passageira, não adianta apostar o dedo para a crise a fim de justificar o seu fracasso.

3 - Não se planejar

Sabendo que a crise é cíclica e que fatalmente chegará um dia, a melhor forma para se preparar é buscar melhorar sempre. Mas não é isso que a maioria dos empreendedores faz, afirma Saade.

“Independente da crise, ele precisa sempre buscar melhorar o negócio, isso deve ser algo contínuo. Num restaurante, os erros de hoje têm que ser melhorados amanhã. E, quando você melhora os processos, melhora também os custos. O fato é que muitos só pensam nisso na crise”, avalia.

4 – Não olhar para o mercado

Um pensamento comum entre empreendedores é achar que a crise paralisa o mercado. A ideia é assustadora e não tem base na realidade. Resultado: o empreendedor não observa o que está à sua volta antes de tomar atitudes para enfrentar a recessão.

“A crise não vai parar o mercado. Ela apenas reduz o consumo. Por exemplo: se eu tenho um restaurante com determinado preço, posso perder clientes, que vão procurar um local mais barato. Mas, assim como eles, outras pessoas que frequentavam lugares mais caros também vão mudar de hábitos, e podem buscar o meu restaurante”, afirma Saade.

“Num caso como esse, a solução para o empreendedor não está em baixar os preços, mas sim em mudar o alvo. Às vezes o que ele precisa é aumentar a qualidade para atender a esse público, que é mais exigente. Talvez até deva aumentar um ou outro preço para dar conta dessa nova demanda. Mas isso ele só vai saber se olhar para o mercado”, completa o especialista.

5 – Não ouvir o consumidor

Paralisado pelo medo da crise, muitas vezes o empreendedor deixa de ouvir seu consumidor durante a crise. Resultado: ele perde oportunidades de melhorar seu serviço e até de oferecer um novo produto. Será que, se a loja aceitasse o cartão X, venderia mais? Ou será que você pode facilitar a vida do cliente de alguma outra forma?

“É preciso ouvir o consumidor dentro da sua loja. E, se ele não fala nada, você tem que saber fazer as perguntas certas. Só que na crise o empreendedor muitas vezes não consegue reagir, e deixa isso de lado”, afirma o professor da BSP.

6 – Demitir antes, pensar depois

Uma das primeiras atitudes de empreendedores em crise é demitir parte da equipe. Mas será que essa é a melhor solução. Para Saade, depende do contexto.

“Na grande maioria das vezes é um erro. É claro que, se o movimento caiu 50%, você não consegue manter toda a equipe. Mas isso não acontece do dia para a noite. Se, em vez de demitir, o empreendedor ficar atento para perceber problemas e envolver toda a equipe para encontrar a solução, o resultado é bem melhor”, aconselha.

Outro ponto é que, muitas vezes, a pessoa demitida é necessária para a empresa e precisa ser reposta pouco depois, ressalta Marcelo Paranzini, do Sebrae-SP. “Geralmente, quando se fala em reduzir despesas, o primeiro passo é cortar mão de obra. Só que às vezes ele manda uma pessoa com conhecimento embora e depois não consegue recontratar”, alerta.

7 – Não fazer as contas

Sim, na crise é importante reduzir os custos do seu negócio. Mas esse processo precisa ser muito bem pensado, e não é o que normalmente acontece, afirma Paranzini.

“É importante fazer uma análise do todo primeiro, para saber quais pontos podem ter uma redução, e só depois tomar as decisões de como a empresa pode ser mais eficiente. Porém, o que acontece na maioria das vezes é que os empreendedores analisam apenas o resultado final”, diz.

Resultado: no afã de economizar, você pode reduzir o estoque do seu produto mais vendido, e acabar fazendo menos vendas, por exemplo.

8 – Esquecer sua equipe

Em meio ao corte de gastos de uma empresa em crise, é comum que a parte de treinamento da equipe fique de escanteio. E este é mais um erro dos empreendedores para enfrentar o momento de vacas magras.

“Muitos empreendedores abrem mão da capacitação, por conta dos custos que ela tem. Mas, nesse momento, é importante capacitar para conseguir fazer mais com menos, e isso depende da eficiência das pessoas que trabalham na empresa”, alerta o gerente do Sebrae-SP.

9 – Se isolar

No momento de crise, muitos empreendedores focam todas as suas energias na empresa e acabam se isolando. Não buscam ajuda de entidades do setor, nem consegue abrir os olhos para outras oportunidades. O resultado é uma empresa ensimesmada e sem oxigênio para sair de um momento ruim.

“Na crise, é frequente os empreendedores se isolarem e acharem que vão resolver o problema sozinhos. Sendo que é justamente o contrário: eles deveriam sair em busca de novas redes, novas oportunidades, novas ferramentas para inovar , mas acabam querendo resolver a crise com as práticas que já conhecem”, analisa Paranzini.

10 – Não aproveitar as oportunidades da crise

Você já ouviu que “toda crise traz oportunidades”. Acredite, a frase é verdadeira e cabe ao empreendedor identificar as chances e canalizar seus esforços.

“Neste momento, o mercado tem diversas oportunidades, porque muitas empresas acabam deixando espaços vazios. Então, se o empreendedor sair da caixa e buscar explorar essas oportunidades, ele terá resultado”, avisa o gerente do Sebrae.

3 Comentários

Foto de Satchel
Satchel (não verificado)
21/07/16
My ex and I broke up about a month ago and ha8;1&#v2n7et spoken since. I realized today that the gym he goes to is still taking money from my account. How do I ask him to stop this?
Foto de Michaelfurry
Michaelfurry (não verificado)
21/07/16
Trying To Find The Best Diet Pill? Trying to find the best diet pill may seem like an impossible task, especially with the multitude of diet pills available for purchase. Many people purchase a diet pill only to find out that the pill makes them feel jittery, nervous, or often has no effect at all. Diet pills frequently contain the same or similar combination of ingredients and rarely contain anything new, innovative, or undiscovered to the supplement / weight loss industry. So, how can you find the best diet pill when most diet pills are made with similar ingredients? One of the most common problems associated with taking diet pills is that the person taking the diet pill is uneducated about the dosage, effects, and promises offered as they relate to each diet pill. The research at website finds that there are three factors that should be taken into consideration when deciding to take a diet pill. Dosage: It is important to take the pill exactly as recommended on the product label. Some people choose to increase the dosage thinking that the product will work faster or better. This is not the case, and many people become sick in response to the large dose. Reviewers at website often suggest that the recommended dosage be cut in half to give the body time to adjust to the stimulant in the diet pill. After the body has adjusted, it is fine to begin taking the regular dosage as recommended on the product label. Effects: The effects listed on the product label are there because these are the effects that the product has had on 'some' of the test group. Some of the diet pill testers may be fine taking the product, while others may have adverse effects. The diet pill companies print this information to educate the buyer as well as to protect themselves from lawsuits. The consumer needs to read the label and educate themselves before taking the product. Many people who are sensitive to caffeine are surprised when the diet pill makes them feel nervous or nauseous, but this information is likely printed on the product, so with a little research these affects can be avoided. Promises: If you read the fine print on product claims for diet pills and other weight loss supplements, you will see 'results not typical' printed very small somewhere where you are not expected to look. The diet pills advertised on television are responsible for some of the most outlandish claims. The results claimed in these advertisements are often unattainable within the given amount of time outlined in the ad. Don't expect to see results in two weeks like a lot of ads claim. Wouldn't it be great if you could read reviews for diet pills from actual users of each diet pill? Diet Pill Reviews website has taken the trouble out of searching for the best diet pill. You can read reviews of over 150 of the most popular diet pills available. Copyright 2006, Diet Pill Reviews <a href=https://www.viagrapascherfr.com/>viagra pas cher</a>
Foto de WilliamTuddy
WilliamTuddy (não verificado)
21/07/16
Shops that require protection for high risk goods held on the premises will usually need to declare the total values of each stock item. High risk shop stock and goods are those that attract thieves and are expensive to replace. Examples of high risk stock items are electronic equipment, cigarettes, and tobacco, designer clothing, computers and digital equipment, software, computer games and consoles, drugs pharmacy and medicines, watches and jewellery, mobile phones and radios, photographic equipment, power tools, TVs, DVDs, CDs and Wines and Spirits. If your shop has high risk stock you can reduce the cost of your premiums by having adequate security in place. This includes an insurance company approved burglar and fire alarm, window grills, shutters and bars, CCTV and sprinklers. Many shop insurers will only offer stock cover if the minimum levels of security are in place for all shops, regardless of the stock contents held. A lot of insurers may offer further large discounts to the premium if the shop owner lives on or above the premises and is there at night. Shops by their very nature deal with members of the public and a good insurance policy will usually contain liability cover as standard. This should include Public Liability of up to ?2,000,000 for any one claim by a member of the public who may suffer loss or injury visiting the shop. If you employ staff all policies will offer Employers Liability cover of up to ?10,000,000 one event and because shops sell goods and services, Products Liability cover of ?2,000,000 for any one period of insurance. <a href=https://www.cialissansordonnancefr24.com/cialis-pharmacie-marseille/>https://www.cialissansordonnancefr24.com/cialis-pharmacie-marseille/</a>

COMENTAR